segunda-feira, 13 de agosto de 2012

Tópico 14 Redes técnicas das telecomunicações

Tópico 14. Redes técnicas das telecomunicações
         Entre os temas  que retratam a globalização, as redes e os  territórios estão entre os que revelam maior polêmica e complexidade, devido à natureza dessa espacialidade. Essas redes podem ser técnicas e representar o capital por meio do desenvolvimento tecnológico. São as redes de circulação de pessoas ( transportes), de mercadorias ( transporte e comunicação) e de idéias ( comunicação). Elas podem ser legais se seu fluxo respeita os códigos legais e morais entre os países. Elas, também, podem ser ilegais quando promovem a clandestinidade de circulação de idéias terroristas, de tráfico humano de órgãos, de crianças e de mulheres para a prostituição, de armamentos, da biopirataria e pirataria comercial em geral.
Vivemos num mundo conectado em redes. Informações viajam virtual e instantaneamente de um canto a outro, produzindo reflexos imediatos em diferentes lugares do globo. Se uma empresa multinacional quebra num país Ásia, no mesmo dia, a Bolsa de Valores de São Paulo entra em crise. A Guerra no Iraque foi toda planejada na rede virtual. Pode-se acompanhar as consequências  das guerras,  Tsunami, terremotos,  enchentes, sentados, em nossa casa. Somos consumidores de informações em rede mundial. As mercadorias passam por um circuito cada vez mais amplo, as frutas colhidas no interior mineiro, em curto tempo estão à venda nos supermercados europeus. O dinheiro transformou-se em cartão (dinheiro de plástico) que se retira no sistema informatizado, online. As pessoas nunca viajaram tanto, como turistas. Uns para  trabalhar, uns para passear, outros estudar e, até mesmo, para se protegerem, como os refugiados de guerra.  Assim, o turismo tornou-se a primeira indústria mundial em volume de negócios. O mundo se move em redes, num fluxo constante de mercadorias, dinheiro, informações e de pessoas, pois os homens interagem  com outras culturas, levando e trazendo produtos; as leituras de Marco Pólo nos ensinam que integrar culturas é fundamental para novas aprendizagens.  A diferença é que hoje tudo ocorre com muita velocidade,  mudando a organização sociocultural e ambiental das paisagens. O processo de globalização exige o desenvolvimento de meios de transporte. Para isso é necessário construir estradas, aeroportos, hidrovias, modernizar a frota de veículos pesados e leves, de navios de carga, de aviões  que atendam a intensidade  de circulação de mercadorias e pessoas. Essas estruturas alteram toda a região à sua volta. Veja o caso de São Paulo. A pequena vila do século 16 só virou a maior metrópole brasileira porque ficava num ponto estratégico às margens da estrada de ferro que ligava as fazendas de café do interior ao porto de Santos. E, hoje,  os meios de transporte, mudaram a espacialidade de muitas cidades brasileiras que margeiam as vias rodoviárias. Isso traz grande impacto ambiental como o caso da BR-163, Cuiabá-Santarém que provocou a dizimação do povo indígena Panará, a migração desordenada, a grilagem de terras, o desmatamento, o aumento da criminalidade e o agravamento das condições sanitárias locais. No processo de globalização os carros, caminhões e navios articulam um lugar com uma região, uma região com um país, um país com o continente e com o mundo. Hoje, as cidades convivem com os problemas dos congestionamentos, falta de infra-estrutura viária que facilite o fluxo no trânsito e a poluição. Em 1970 havia no Brasil um carro para cada 38 pessoas. Em 2002, é um veículo para cada 10 hab/s, o que desencadeou a construção de túneis, pontes e avenidas. Essas mudanças causam impacto no meio ambiente e na vida das pessoas.                                       
A REDE DAS COMUNICAÇÕES-  O planeta está plugado em rede e a grande revolução é a Internet. Ela tornou possível a transferência instantânea de dados entre qualquer parte do planeta. Vivemos num mundo  online; em tempo real, tudo acontece simultaneamente no tempo e no espaço. Esse fenômeno muda a relação das pessoas; altera os hábitos culturais,  muda  costumes,  as relações sociais e econômica renova empregos, gera desempregos e recria o chamado ciberespaço, o lugar passa a ser virtual,  o site é  onde as pessoas se divertem, fazem compras, encontram amigos, estudam e se informam. A interação é simultânea e facilitada pelo ganho de tempo na pesquisa rápida.  As telecomunicações formam redes que possibilitam intercâmbios entre empresas, pessoas, povos e suas ideologias determinando a reorganização do território, internacionalizando capitais, propiciando uma  economia globalizada. Uma série de novas tecnologias como: fibras óticas, barateou os custos  e popularizou o uso dos meios de comunicação como telefones digitais, fax, computador, etc.  A inventividade do homem permitiu o desenvolvimento das telecomunicações capazes de “reduzir” o tamanho do mundo. A necessidade  de comunicar-se e de conhecer lugares transformou o espaço e possibilitou o desenvolvimento do comércio, dos serviços e da indústria. As redes possuem um duplo movimento: de um lado conectar pessoas, mercadorias e idéias e, de outro,  excluir lugares e pessoas desse fluxo. Assim, as redes de transportes e comunicações foram modernizando-se e inserindo-se no contexto técnico-científico de cada época, aproximando/distanciando lugares e pessoas.  O acesso à modernidade não é democrático, porque o progresso tecnológico não é uniforme. Excluem-se pessoas que não  podem arcar com os custos ou não estão incluídas nessa cultura do instantâneo. Parcela significativa da população mundial,  não está conectada à Internet,  e são igualmente poucos os que podem viajar de avião, trem bala, ou mesmo,  deslocar-se no transporte urbano para o trabalho. Dependendo da forma como são utilizados, os sistemas técnicos  podem provocar  conflitos e desorganização do território, formando  movimentações ilegais de produtos, pessoas e idéias: o cartel do narcotráfico, as máfias e gangues de drogas e seqüestros; o comércio de órgãos e pessoas, a lavagem de dinheiro “sujo” e o terrorismo internacional. As redes envolvem poder, comunicações, espaços e pessoas numa ordem e desordem espacial formal e informal, legal e ilegal. As redes podem também ser relacionadas com a solidariedade, a cooperação e a construção de um modo de vida mais humano, como as ações dos Médicos Sem Fronteiras, das ONGs, dos grupos de Defesa dos Direitos Humanos que movimentam pessoas e lugares. A palavra rede ganha um novo significado porque a produção, o uso e o consumo de produtos e de serviços estão organizados em fluxos. Um  exemplo é a  Rede Mundial de Computadores – a Internet.
INTERPRETAÇÂO:
1-Copie a parte do texto que explica a expressão: “Vivemos num mundo conectado em redes”
2- O que é o dinheiro de plástico?
3- Que tipo de turismo feito pelas pessoas são descritos no texto?
4- De acordo com o texto qual é a primeira indústria mundial em volume de negócios e em nº de trabalhadores sem nacionalidade hoje?
5-De acordo com o texto que fluxos são constantes nesse mundo que se move através das redes?
6- Que diferença existe entre a integração de culturas descritas nos livros de Marco pólo e as de hoje?
7- O processo de globalização exige o desenvolvimento de transportes cada vez mais rápidos, o que é necessário para que isso aconteça?
8- Que transformação aconteceu na cidade de SP com a modernização nos transportes? Por quê?
9- Que  grandes impactos ambientais e sociais causou a construção da BR-163, Cuiabá-Santarém?
10- Descreva o processo de globalização ajudado pelos meios de transporte.
11- Quais são os problemas gerados pelo fluxo de automóveis? Que modificações no ambiente tiveram que ser feitas para facilitar esse fluxo?
12- O que significa dizer que o mundo está plugado em rede?
13- O que significa dizer que vivemos num mundo online?
14- De exemplos de como a internet muda as relações e os hábitos das pessoas?
15- Nesse contexto de redes de informação, o que o uso das telecomunicações possibilita?
16- O barateamento de qual nova tecnologia popularizou o uso dos meios de comunicação?
17- Porque se diz no texto que o desenvolvimento das telecomunicações e do transporte tem um duplo movimento?
18- Por que se diz no texto que o acesso à modernidade não ocorre de forma democrática? Qual a conseqüência disso?
19- De que modo pode-se usar os meios de comunicação que podem ser acionados na construção de redes que provocam conflitos e desorganização do território?
20- De exemplo de rede de informação usada com intenções de solidariedade.
21- Diferencie rede legal de rede ilegal.
22- Quais são as redes de circulação de pessoas_______________, de mercadorias___________________ e de idéias _______________

3 comentários:

  1. gostaria de saber as respostas deste texto.

    ResponderExcluir
  2. gostaria de saber as respostas deste texto.

    ResponderExcluir