Baixe qualquer arquivo do Blog em doc Word

Atividades de outros conteúdos... http://atividadesdiversasclaudia.blogspot.com.br/
Se você não conseguir uma boa visualização envie-me email que ficarei feliz em compartilhar. profclaugeo@yahoo.com.br Abraço.
Escolha o arquivo na barrinha ao lado, clique em slideshare, você vai ser direcionado para outra pagina, logo acima clique em save(um setinha apontando para baixo)Pronto.

sábado, 22 de setembro de 2012

Texto de interpretação: Tópico Ordem ambiental internacional

SEMINÁRIO DE TEXTOS:
TEXTO 1 SC APRESENTA POTENCIAL PARA O MERCADO DE CRÉDITOS DE CARBONO
 Projetos para gerar energia limpa e  para reduzir a emissão de dióxido de carbono (CO2) no ar passaram a  receber mais destaque no Brasil a partir da entrada em vigor do Protocolo de Kyoto em 2005. O tratado estabeleceu um instrumento denominado MDL - Mecanismo de Desenvolvimento Limpo, pelo qual os países desenvolvidos podem apurar os certificados de créditos de carbono, conhecidos como RCEs – Reduções Certificadas de Emissões, de nações em desenvolvimento.  O Brasil pode ser o país mais beneficiado por este instrumento, pois investe em projetos com grande potencial para geração de créditos de carbono. Os empreendimentos que possuem maior elegibilidade são os de eficiência energética na área de transportes; de substituição de energia elétrica ou térmica a partir de biomassa e resíduos (madeira, capim elefante, bagaço de cana, casca de arroz etc.); de geração do combustível fóssil por biocombustível (álcool, biodiesel etc.) e de florestamento e reflorestamento certificado.     O potencial de SC, em relação ao Brasil, é reduzido na apresentação de projetos para a geração de créditos de carbono. No entanto, há espaço para a viabilização de novos programas. Um bom exemplo é a suinocultura. O setor é um grande emissor de metano – gás com poder de aquecimento ambiental 21 vezes maior que o CO2. O rebanho catarinense, de 5,5 milhões de cabeças, produz cerca de 18 milhões de m3 de dejetos por ano, apenas 50% desse resíduo é aproveitado de forma adequada. O restante acaba sendo lançado diretamente em rios e lagos ou utilizado em excesso no solo, poluindo.   Se o gás metano proveniente da suinocultura for devidamente processado, pode ser transformado em energia elétrica e gerar muitas outras vantagens ambientais, decorrentes do tratamento adequado dos dejetos.    Do lixo também podem surgir muitas soluções. A criação de aterros sanitários que utilizam o biogás para a geração de energia é uma alternativa inteligente para um problema enfrentado por grande parte dos municípios brasileiros. Foi nesta área, inclusive, que surgiu o primeiro projeto para a captação de créditos de carbono no mundo: o NOVA GERAR, no RJ.
TEXTO 2-PAÍSES QUEREM ENERGIAS LIMPAS, MAS COM CRESCIMENTO ECONÔMICO
 EUA, Austrália, China, Índia, Japão e Coréia do Sul, reuniram-se em Sydney para discutir alternativas ao Protocolo de Kyoto, criaram um fundo para o desenvolvimento de energias limpas. EUA e Austrália organizadores da reunião, se comprometeram a investir U$ 170 milhões em programas energéticos que respeitem o meio ambiente e sejam dirigidos a reduzir a poluição global.
Os seis países representam 45% da população mundial e são grandes responsáveis pelo agravamento do efeito estufa: Austrália é o segundo produtor de carvão do mundo e produz mais gás carbônico por habitante que qualquer outro país. Já os EUA, é o maior poluidor do planeta, respondendo por mais de 25% das emissões de dióxido de carbono (CO2).      Ambos se recusaram a ratificar o Protocolo de Kyoto – acordo pelo qual os países  são obrigados a reduzir em 5% a emissão de gases até 2012. Quem não consegue atingir a meta, tem a opção de comprar créditos de carbono – gerados a partir de projetos de MDL - Mecanismos de Desenvolvimento Limpo em países em desenvolvimento.
     No comunicado final da reunião, EUA  e Austrália afirmam que não reduzirão o uso dos combustíveis fósseis e prevêem um aumento da utilização da energia nuclear.   A idéia é trabalhar para a erradicação do efeito estufa, mas sem que isso seja um obstáculo ao crescimento econômico, justificaram.
TEXTO 3- FLORESTAS 'PRODUZEM GÁS QUE CAUSA EFEITO ESTUFA', DIZ ESTUDO
 Cientistas da Alemanha descobriram que algumas florestas podem estar contribuindo para o aquecimento global, em vez de diminuir o ritmo de mudança do clima. Experiências relatadas na revista científica "Nature",  revelaram um processo desconhecido dos cientistas, no qual plantas em crescimento liberam metano, um dos gases responsáveis pelo efeito estufa. A descoberta é  inesperada. "Os livros afirmam que o metano é produzido apenas em condições em que os níveis de oxigênio são baixos. O metano é conhecido por ser um dos grandes contribuintes para o efeito estufa, perdendo apenas para o dióxido de carbono em grau de importância dentro do processo de prender o calor do Sol. Se as descobertas forem confirmadas, o fato poderá forçar uma reavaliação da maneira como a questão da preservação das florestas é tratada no Protocolo de Kyoto, o acordo que prevê medidas para frear as mudanças climáticas. Até agora, acreditava-se que o metano era produzido principalmente por bactérias em ambientes como pântanos, plantações de arroz e dentro do estômago de bovinos.
Mas na pesquisa, cientistas dizem ter concluído que o metano também é produzido em quantidades significativas por uma série de vegetais comuns crescendo em condições normais.
TEXTO 4-CATÁSTROFES NATURAIS E AQUECIMENTO GLOBAL: A NATUREZA REAGE?
 Desastres naturais; anúncio do recorde no desmatamento da Amazônia; transposição do rio São Francisco; polêmica na construção de hidrelétricas. Estes foram alguns dos assuntos mais debatidos em 2005.
PROTOCOLO DE KYOTO  foi assinado por 141 países. O documento estabeleceu as principais metas de redução da emissão de gases poluentes no planeta e estão ligados ao aquecimento global. Apenas 30 nações, consideradas industrializadas, sujeitaram-se às metas. Os EUA ratificaram o protocolo, porém, em 2001, retiraram-se das negociações, alegando estarem preocupados em manter a economia estável. Os países em desenvolvimento, como o Brasil e a China (apesar de ser o segundo maior país emissor de gases poluentes do mundo), ficaram livres de metas específicas. O Brasil foi apontado pela ONU, como grande beneficiário de Kyoto, já que, através do MDL - Mecanismo de Desenvolvimento Limpo -, poderia obter créditos de carbono para negociar com os demais signatários ao protocolo. Assim como o Brasil, outros países tomaram atitudes para uma menor emissão de CO2 na atmosfera, como a China. Apesar da recusa dos EUA em participar do protocolo, 28 dos 50 estados americanos e dezenas de empresas multinacionais sediadas no país adotaram voluntariamente medidas de redução de gases poluentes com o objetivo de combater o aquecimento global.  A  Noruega inaugurou a primeira bolsa mundial para compra e venda de cotas de emissão de dióxido de carbono.  EUA e  Austrália elaboraram uma alternativa ao Protocolo de Kyoto. China, Índia e Coréia do Sul também participaram da negociação. A idéia foi reunir os países responsáveis por 40% das emissões mundiais. A União Européia, que pretende colocar países do Terceiro Mundo, como o Brasil, a China e a Índia para cumprir as metas, além de convencer os EUA a participar do protocolo.
CATÁSTROFES NATURAIS- 2005 foi um ano recorde para os desastres naturais e meteorológicos, que mataram 350 mil pessoas e provocaram prejuízos econômicos calculados em US$ 200 bilhões. Além da tsunami que atingiu o sudeste asiático e do terremoto de 8 de outubro no Paquistão (com 70 mil mortes), 2005 foi o ano em que houve mais tempestades tropicais, contabilizando um total de 26, foram  14 furacões e sete deles alcançaram uma categoria de 3 ou mais na escala de Saffir-Simpson. O ano de 2005 também foi o segundo mais quente dos últimos anos, segundo dados da OMM(Organização Meteorológica Mundial). As catástrofes naturais de 2005 estão ligadas às mudanças climáticas.
AQUECIMENTO GLOBAL-O buraco na camada de ozônio sobre a Antártida aumentou em relação à 2004, invertendo uma tendência de queda,  o tamanho chegou a 24,3 milhões de km², quase três vezes a área do Brasil. Os números foram divulgados pela Nasa, a agência espacial norte-americana. levará várias décadas  para que os gases que têm provocado o fenômeno - clorofluorcarbonetos (CFC) e halon - caiam a níveis aceitáveis ou desapareçam.

ATIVIDADES:
1-Quando projetos para gerar energia limpa e  para reduzir a emissão de dióxido de carbono (CO2) no ar passaram a  receber mais destaque no Brasil?
2- O que significa MDL e o que estabelece?
3- Por que o  Brasil pode ser o país mais beneficiado pelo MDL?
4- Que problemas a suinocultura traz para o meio ambiente?
6- Que aproveitamento pode ter os dejetos da suinocultura?
7- Que solução ambiental pode ter o lixo?
8- O que foi o projeto NOVA GERAR e em que área atuou?
9- Quais são os seis países que representam 45% da população mundial e são os grandes responsáveis pelo agravamento do efeito estufa?
10- Qual é o país que mais polui com CO²?
11- O que o Protocolo de Kyoto estabelecia?
12- Qual foi a justificativa dos EUA e Austrália para não assinar o protocolo de Kyoto?
13- Compare gás metano e dióxido de carbono enquanto gases  que aumentam o efeito estufa?
14- O que pode acontecer se as pesquisas que mostram que as árvores produzem gás metano forem confirmadas?
15- Onde acreditava –se que o metano era produzido?
16- Por que os EUA se retiraram das negociações do Protocolo de Kyoto?
17- Qual é o 2º país maior poluente do mundo?
18- Por que o Brasil ficou livre de metas específicas do Protocolo de Kyoto?
19- Qual foi a resposta dos norte americanos a negativa dos EUA em assinar o Protocolo de Kyoto?
20- Que país inaugurou a primeira bolsa mundial para compra e venda de cotas de emissão de dióxido de carbono?
21- Qual era o objetivo da alternativa ao Protocolo de Kyoto elaborada por EUA e  Austrália?
22- Em que ano aconteceram mais catástrofes naturais? Quais foram as conseqüências?
23- Que fenômenos meteorológicos foram mais intensos em 2005?

FONTES DE ENERGIA
 Habilidade- Compreender os impasses da sociedade contemporânea sob a ótica da produção e do consumo de energia
 De acordo com o texto é verdade afirmar:
I- A maioria dos eletrodomésticos consomem muita energia, mas em nada prejudicam o meio ambiente.
II- -Apenas  geladeira, o freezer e o ar condicionado  respondem por até 75%do consumo de energia em uma casa.
III- A maioria dos sistemas de refrigeração dos aparelhos domésticos funcionam com um gás que contribui para o aumento do  efeito estufa.
 IV- Máquina de lavar roupa consome grande quantidade de água, 30% mais do que a necessidade diária de consumo por pessoa. 
Estão corretas apenas as afirmativas:
(a)Apenas I, II, III                                                                             (b ) Apenas II, III, IV.
(c )Apenas I, III.                                                                                ( d) I, II, III e IV.

 ORDEM AMBIENTAL INTERNACIONAL
Habilidade- Reconhecer na sociedade global instrumentos de políticas ambientais.
1)    O consumo de energia é a ideia central do texto, porém os objetivos do texto é são expressos nas seguintes alternativas.
 (I) Apresentar e a etiqueta nacional de conservação de energia e o selo Procel concedido ao produtos mais eficientes no consumo de energia
(II) Informar que um modelo da categoria A, na etiqueta nacional de conservação de energia, pode economizar até 54% de energia em relação a um da categoria E
(III) Propor recursos para minimizar impactos nocivos sobre o meio ambiente
 ( IV) Orientar para que os aparelhos sejam desligados da tomada para não gastar energia

São corretas as alternativas

(a)  I, II                             (b) I, II, III                    (c) II, III                  (d) I, II, III, IV   

  
ORDEM AMBIENTAL INTERNACIONAL 
Habilidade- Reconhecer na sociedade global instrumentos de políticas ambientais.
A expressão “selo verde” que dá título ao texto tem sentido de:
( a) Alerta, pois apresenta produtos considerados ineficientes no consumo de energia.
( b) Ajuda, pois auxilia o consumidor a escolher aparelhos que gastam menos energia.
(c ) Consumismo, pois, quatro em cada dez brasileiros estão dispostos a pagar mais por um produto com selo verde
(d  ) Sustentabilidade, pois apresentam (produtos que tem controle e produzem menos impactos nocivos sobre o meio ambiente).

Nenhum comentário:

Postar um comentário