Baixe qualquer arquivo do Blog em doc Word

Atividades de outros conteúdos... http://atividadesdiversasclaudia.blogspot.com.br/
Se você não conseguir uma boa visualização envie-me email que ficarei feliz em compartilhar. profclaugeo@yahoo.com.br Abraço.
Escolha o arquivo na barrinha ao lado, clique em slideshare, você vai ser direcionado para outra pagina, logo acima clique em save(um setinha apontando para baixo)Pronto.

segunda-feira, 10 de maio de 2010

Matéria Lecionada -2º ano EM-Geografia-1º Bim.



MATÉRIA DE GEOGRAFIA 2º  ANO ENSINO MÉDIO.1º BIM

EIXO TEMÁTICO V TEMA 5: O PROCESSO DE URBANIZAÇÃO CONTEMPORÂNEO: A CIDADE, A METRÓPOLE, O TRABALHO, O LAZER E A CULTURA
SUBTEMAS:
• A cidade e a metrópole sob a ótica das políticas urbanas e do Estatuto da Cidade
• O espaço público e as interações sociais: a cultura e a identidade expressas nos fenômenos urbanos.
• Os conflitos entre público e privado na cidade contemporânea: as relações entre civilidade e cidadania.
Problemas e Perspectivas do Urbano

TÓPICOS / --15. PRODUÇÃO E CONSUMO OP-14-- PRODUÇÃO E CONSUMO R.A—20—PRODUÇÃO E CONSUMO.
HABILIDADES--15.1. Relacionar produção e consumo para avaliar a qualidade de vida no ambiente urbano.
15.1.1. Reconhecer as contradições nas formas de apropriação dos novos mercados de produtos ecologicamente corretos pelo capitalismo global.
CONCEITUAR- espaço urbano - produção e consumo - infra-estrutura - rede urbana- relação- produção e consumo - relacionar a lógica da produção, mercado e emprego - consumismo - sociedade do descartável- produção globalizada - urbanização - uso do território - trabalho e emprego - inserção social- guerra dos lugares: reorganização produtiva do território - fragmentação - cadeia produtiva com os de consumo- territorialidade das empresas - capitalismo; sociedade consumista, desenvolvimento, economia, preservação,  desenvolvimento local, localxglobal.
O QUE ENSINAR
• Rede urbana, transportes e comunicação: o papel das cidades médias
• O acesso ao trabalho e o crescimento econômico na sociedade em rede
• O direito aos serviços urbanos relacionados ao transporte e outros decorrentes da infra-estrutura urbana como o das comunicações e sua disponibilidade para toda a extensão municipal e regional
• As questões ambientais relacionadas à lógica de uma produção sem preservação ambiental
• Relação consumismo, consumo, produção, preservação: cidades de diferentes países e modelos de desenvolvimento
• O consumo cultural e da informação
• Os padrões insustentáveis da relação produção e consumo e a agenda 21.

TÓPICO--16. POLÍTICAS PÚBLICAS URBANAS: O PÚBLICO E O PRIVADO OP—15 -- POLÍTICAS PÚBLICAS URBANAS: O PÚBLICO E O PRIVADO
R.A—17-- POLÍTICAS PÚBLICAS URBANAS: O PÚBLICO E O PRIVADO
HABILIDADES--16.1. Avaliar a relação entre as políticas públicas e a produção do espaço urbano
16.1.1. Reconhecer a presença/ausência de população de sem-teto, sem-trabalho, sem-educação, sem-saúde, sem-terra, questionando os direitos à cidadania.
CONCEITUAR-  problemas e perspectivas do urbano(falta de habitação, caos urbano, trânsito caótico, tempos diferentes longos e breves, falta de segurança, redimensionamento do espaço urbano para facilitar os fluxos de informação, mercadorias, capital e pessoas) - produção do espaço urbano - políticas públicas locais e internacionais-   espacialidades e territorialidades - rede urbana-  políticas urbanas-  centro turístico – público e privado - exclusão, segregação espacial, guetos , favelas, falta de espaços públicos de lazer, - políticas urbanas.
O QUE ENSINAR
• As políticas públicas produzem paisagens urbanas: preservação e revitalização
• A fragmentação expressa nas práticas espaciais resultantes da segregação espacial: os sem teto e as políticas de habitação
• Os sem trabalho e as políticas econômicas: as questões envolvidas na faceta pública e provadas da economia
• As práticas sociais decorrentes da falta de educação e de saúde para todos os cidadãos e a cidadania
• Políticas urbanas no Brasil e enfoques sobre problemas urbanos nas conferências internacionais sobre os problemas urbanos: estudo de casos sobre algumas cidades(desde cidades como Tóquio e Los Angeles, Lagos, São Paulo, Belo Horizonte. Até situações específicas de políticas urbanas bem definidas como de Curitiba)
• Plano Diretor, Orçamento Participativo e Estatuto da Cidade - aspectos legais para melhorar a democratização e a qualidade de vida nas cidades.
• Práticas excludentes: quais práticas, quais grupos sociais mais atingidos, quais alternativas e explicações ( a violência, tráfico de drogas, conflitos sócio-ambientais, crise nos movimentos sociais urbanos e a ingovernabilidade urbana).
• Utilizar questões de vestibular que tratam dos desafios metropolitanos, principalmente analisando as nossas metrópoles, seu tamanho, suas desigualdades, suas favelas e periferias, sua violência são conseqüências necessárias da histórica disjunção entre economia, sociedade e território, que caracteriza a nossa expansão periférica na economia-mundo capitalista.
DESCRITORES.
D7 - Associar as áreas urbanas e industriais no Brasil e no mundo, localizando-as no planisfério.
D8 - Indicar as características do modo de vida da sociedade urbano-industrial.
D9 - Analisar as transformações provocadas no mundo do trabalho decorrentes da
inovação tecnológica e do desenvolvimento da Ciência e Tecnologia.
D10 - Relacionar o processo de terciarização e terceirização das sociedades urbanoindustriais.
D11 - Explicar o desemprego estrutural como decorrência do desenvolvimento da
sociedade urbano-industrial.
D12 - Analisar as origens da economia informal na sociedade urbano-industrial, com o auxílio de textos.
D13 - Analisar os impactos ambientais (lixo, inversão térmica, ilhas de calor, poluição do ar) nos grandes centros urbanos.
D55 - Analisar, através de mapas, as áreas de conflitos de terras no Brasil, da década de 70 até os dias atuais.
Avaliação
• diagnóstico -  avaliação inicial
• Análise do texto do Frei Beto e do texto e do texto: Os demônios estão todos em Ruanda. 
• Criar um PowerPoint sobre sem-teto, sem-trabalho, sem-educação, sem-saúde, sem-terra, questionando os direitos à cidadania.
• Criar um PowerPoint sobre o espaço urbano é territorializado pela falta de políticas públicas adequadas e pela existência de indicadores de ausência de cidadania tais como: os sem teto, os sem trabalho, os camelôs.
• interpretar charges.
• Relacionar, como desafio, a cidadania, os direitos humanos e os problemas urbanos para resolução de problemas pelos alunos: trabalho, emprego/desemprego;moradia/falta de moradia, habitações subnormais; água e falta de água/acesso à água tratada e saneamento básico e saúde(sugestões)



CONTEÚDO COMPLEMENTAR DE GEOGRAFIA 2º  ANO ENSINO MÉDIO.2º BIM

EIXO TEMÁTICO V TEMA 5: O PROCESSO DE URBANIZAÇÃO CONTEMPORÂNEO: A CIDADE, A METRÓPOLE, O TRABALHO, O LAZER E A CULTURA

TÓPICO--17. ESPACIALIDADE URBANA- OP—16—ESPACIALIDADE. R.A—18--ESPACIALIDADE URBANA.
HABILIDADES--17.1. Compreender as práticas sociais espacializadas na complexidade da vida na metrópole nos países centrais e periféricos.
17.1.1. Analisar textos e imagens sobre os fenômenos da metropolização: fluxo de pessoas, serviços, especulação imobiliária, lazer.
CONCEITUAR- espacialidade - metropolização – desmetropolização - mundialização da sociedade - meio-técnico-científico-informacional -  sociedade sustentável - direitos humanos - cidades milionárias, cidades globais, megacidades, regiões metropolitanas, megametrópoles e megalópoles - crescimento populacional - qualidade de vida - IDH
O QUE ENSINAR
• O fenômeno de metropolização e de desmetropolização nos países que se industrializam
• Os efeitos da globalização e fragmentação nas paisagens urbanas: as desigualdades territoriais
• A ordem espacial global manifestada nos lugares através da infra-estrutura urbana, da privatização do território, das divisões do trabalho
TÓPICO--18. GESTÃO DA CIDADE OP—17-- GESTÃO DA CIDADE R.A—19--GESTÃO DA CIDADE—
18.1. Avaliar o crescimento populacional e suas implicações na gestão da cidade nos países centrais e periféricos.
4.1. Reconhecer na hierarquia urbana as funções e centralidades das redes
HABILIDADES--18.1.1. Interpretar a qualidade de vida urbana em mapas temáticos e textos sobre saneamento básico, lazer, saúde, energia elétrica, habitação, avaliando as políticas de gestão da cidade.
CONCEITUAR - uso e a ocupação do solo - gestão ambiental das ocupações territoriais - 80% da população vivendo em cidades - regiões metropolitanas-  exclusão social, poluição e degradação do território - qualidade ambiental e justiça - problemas ambientais contemporâneos (poluição do ar, sonora e visual; falta de moradia, água potável e congestionamento do tráfego)
camada de ozônio -  efeito estufa - crescimento das cidades (atenta contra a biodiverssidade, ocupa áreas agrícolas produtivas, degrada solos, esgota mananciais de reservas de água doce) -  Agenda 21 Local - Plano Diretor-  sustentabilidade ambiental - política, ecológica, cultural, econômica e social do município - gestão ambiental urbana participativa - SGA - Sistema de Gestão Ambiental  nos moldes sistematizados pelas Normas ISO 14000
O QUE ENSINAR
• Mapeamento de processos de gestão da cidade evidenciando os tempos desiguais na vida urbana e a qualidade de vida
• As ambigüidades no planejamento territorial da cidade envolvendo as esferas do mercado imobiliário, da sociedade civil e do poder público
• O cotidiano da vida urbana de diferentes lugares e os fenômenos que evidenciam a gestão da cidade
• O Plano Diretor, a Agenda 21 Local e o Estatuto da Cidade

EIXO TEMÁTICO VI TEMA 6 : AS NOVAS TERRITORIALIDADES NO CAMPO.
SUBTEMAS
• A fluidez das fronteiras econômicas, políticas e culturais entre os meios rural e urbano.
• A expansão e consolidação do agronegócio em contraposição à manutenção da fome no mundo.
• A participação dos agroprodutos no contexto das exportações brasileiras e no PIB.
• O desenho do novo rural brasileiro: novas alternativas de produção e manejo (in)sustentável do solo.
As Transformações no Mundo Rural
TÓPICO--19. TRABALHO NO CAMPO OP—18-- TRABALHO NO CAMPO
HABILIDADES--19.1. Analisar o sistema de trabalho no campo nos países centrais e periféricos                                                                                     19.1.1. Reconhecer as principais características da agroindústria e do sistema de trabalho nela existente, explicando as novas relações de trabalho no campo
CONCEITUAR-  agro patronal e familiar - modernização no campo - permanentes e temporários – camponeses-  tarefas sazonais-  força de trabalho familiar- assalariamento capitalista - regime capitalista- modernização do setor agropecuário - mecanização - áreas de produção de grãos – agricultura  intensiva técnicas tradicionais-
O QUE ENSINAR
As habilidades propostas para esse tópico evidenciam:
• a interferência da adoção de modelos de agropatronal nos aspectos socioambientais
• a exploração da mão-de-obra temporária pelo proprietário capitalista
• a importância de preservação das comunidades rurais tradicionais no local
• a sustentabilidade do ambiente a partir da valorização das comunidades rurais tradicionais
DESCRITORES:
D21 - Relacionar trustes, cartéis, holdings e dumpings com a ação das corporações transnacionais.
D22 - Analisar o processo de transformação do capitalismo concorrencial para o capitalismo monopolista, destacando o papel crescente do capital financeiro, a partir de 1930.
D23 - Associar a atuação do capital financeiro e das grandes corporações transnacionais com o processo de internacionalização da economia.
D56 - Caracterizar o movimento dos trabalhadores rurais sem terra – MST – no contexto da luta pela terra e reforma agrária no país.
D57 - Analisar a estrutura fundiária brasileira e a violência no campo.
AVALIAÇÃO.
·         Interpretar a qualidade de vida urbana em mapas temáticos e textos sobre saneamento básico, lazer, saúde, energia elétrica, habitação, avaliando as políticas de gestão da cidade.
·          Pesquisas na internet e produção de textos avaliando a situação do trabalho no campo no Brasil e nos demais países centrais e periféricos no movimento da globalização.



CONTEÚDO COMPLEMENTAR DE GEOGRAFIA 2º  ANO ENSINO MÉDIO.3º BIM

EIXO TEMÁTICO VI TEMA 6 : AS NOVAS TERRITORIALIDADES NO CAMPO.
SUBTEMAS
• A fluidez das fronteiras econômicas, políticas e culturais entre os meios rural e urbano.
• A expansão e consolidação do agronegócio em contraposição à manutenção da fome no mundo.
• A participação dos agroprodutos no contexto das exportações brasileiras e no PIB.
• O desenho do novo rural brasileiro: novas alternativas de produção e manejo (in)sustentável do solo.
As Transformações no Mundo Rural

TÓPICO--20. ESTRUTURA FUNDIÁRIA  OP—19 --ESTRUTURA FUNDIÁRIA.
R.A—21—(AS NOVAS TERRITORIALIDADES DO TRABALHO NO CAMPO). R.A—24—ESTRUTURA FUNDIÁRIA-
HABILIDADES--20.1. Confrontar os efeitos das disparidades territoriais e sociais relativas à distribuição da terra e às políticas de desenvolvimento rural nos países centrais e periféricos.
20.1.1. Analisar as variáveis indicadoras do desenvolvimento humano (saúde, educação, esperança de vida) e a desigualdade da distribuição da posse da terra nos países periféricos, a exemplo do Brasil.
20.1.2. Avaliar as possibilidades e perspectivas de associar a redistribuição de terras com uma política eficaz de combate à pobreza no campo.
CONCEITUAR- Agroindústria – Multinacionais - Capital no campo e arranjos espaciais - Tecnologia no campo- produção agrária do Brasil - exportações brasileiras -  uso da terra – exportação - meio ambiente – erosão – excedentes - estrutura fundiária - concentração de terras -  questão agrária - OIT- Organização Internacional do Trabalho - Comissão pastoral da Terra – latifúndios - reforma agrária - conflitos no campo - políticas sobre agronegócio -  agricultura familiar
O QUE ENSINAR
• as origens da nossa história em termos de ocupação, iniciando pela concessão de sesmarias
• os atores envolvidos na questão agrária
• a regionalização da estrutura fundiária, a lógica do capital e os estágios de desenvolvimento das regiões
• as noções em relação ao tamanho das propriedades servirão de base para problematizar o papel do Estado na organização do espaço agrário, incluindo desde a Lei das Terras em 1850 até o Estatuto da Terra em 1964
• tipologia de propriedades, em que o aluno poderá estudar a classificação das propriedades quanto ao tamanho e a função social da terra, a fim de oferecer o bem estar social
• relações de capital-estado-espaço, a fim de estabelecer a influência que o Estado exerce no redesenho do espaço a partir das determinações do capital
• associação do tamanho das propriedades ao perfil do produtor, ou seja, empresários capitalistas se apropriam de médias e grandes propriedades, enquanto os agricultores familiares se restringem a pequenas propriedades
• distinção das relações de trabalho que ocorrem na tipologia de propriedades, resultando no assalariamento, no caso das médias e grandes propriedades, e nas relações de parceria
• identificação do uso da terra no tamanho das propriedades, uma vez que a utilização da terra para fins produtivos está estreitamente vinculada ao tamanho das propriedades
AVALIAÇÂO:
Analisar as variáveis indicadoras do desenvolvimento humano (saúde, educação, esperança de vida) e a desigualdade da distribuição da posse da terra nos países periféricos, a exemplo do Brasil.
TÓPICO--21. TERRITORIALIDADES NO CAMPO OP-20— TERRITORIALIDADES NO CAMPO R.A-- Territorialidades no campo.
HABILIDADES--21.1. Avaliar projetos agropecuários nos países centrais e periféricos
21.1.1. Analisar as relações de poder na implantação de projetos agropecuários mineiros, como o Projeto Jaíba, e outros no contexto brasileiro e latino-americano.
CONCEITUAR-
Territorialidades – cooperativas - espaço solidário -  trabalho coletivo - escoar a produção -  acesso ao crédito - desenvolvimento rural local -  irrigação - direito de acesso a terra - pequeno produtor - Programa Fome zero - agroecológico - turismos rurais (ecológico e cultural -  migração rural-urbana  - Ministério do Desenvolvimento Agrário.
O QUE ENSINAR
• modelos de produção no campo: patronal (moderno, convencional) e agricultura familiar
• fixação do homem no campo
• intervenção do Estado nas territorialidades através da implantação de projetos públicos de irrigação
• desenvolvimento rural local sustentável, inserindo um diálogo cujo local não se transforme em um ponto isolado e os produtos não sejam definidos pelo mercado e desconhecidos dos produtores
• fortalecimento da agricultura familiar através da organização dos produtores
• pluriatividade, ampliando as possibilidades de trabalho para a população rural não exclusivamente na agricultura
• movimentos sociais que se manifestam no rural como conseqüência dos conflitos por terra

TÓPICO--22. RELAÇÃO CAMPO E CIDADE OP—21-- RELAÇÃO CAMPO E CIDADE. R.A—27--- RELAÇÃO CAMPO E CIDADE
HABILIDADES--22.1. Reconhecer o significado da identidade do campo e da cidade nas sociedades dos países centrais e periféricos.
22.1.1. Interpretar materiais imagéticos e textos sobre aspectos relevantes dos fenômenos sociais, políticos, econômicos que tratam da relação campo e cidade.
CONCEITUAR- campo despovoado, degradação ambiental, cidades-satélites desfalecidas, centros urbanos dirigidos pelo automobilismo, invasão de terrenos -  predomínio da cidade sobre o campo - ruralidade estetizada associada aos esportes coutries - Novo rural - O rural na globalização
O QUE ENSINAR
- Fenômenos sociais, políticos, econômicos da relação campo e cidade
- Os problemas do campo e os da cidade: as cidades-satélites desfalecidas, as vilas agrícolas, a periferização das cidades com o desemprego do campo
- A desterritorialização rural
- O papel da população no processo de urbanização e rurbanização
- O desaparecimento da oposição cidade-campo
- A agroindústria e o agronegócio
- Os conflitos pela terra
DESCRITORES:
D36 - Explicar o processo de interiorização do país através de mapas de fluxos das expansões oficiais do período colonial (as Entradas), da expansão da pecuária, do bandeirantismo, das missões, das expansões militares e da mineração.
D37 - Analisar, através de mapas temáticos do Brasil, os fluxos resultantes da mineração,da exploração da borracha, da expansão da cafeicultura e dos projetos agropecuários oficiais e privados na história econômica do Brasil.
D38 - Contextualizar historicamente o processo de expansão territorial e os fluxos migratórios no Brasil.
D51 - Relacionar dados da modernização da agropecuária nas diversas regiões brasileiras
com um mapa que represente estas áreas.
D52 - Compreender a circulação de mercadorias através da rede rodoviária, ferroviária,
hidroviária ou aeroviária, utilizando-se de mapas e textos.
AVALIAÇÂO:
1.    Entrevistas a moradores da cidade, comentando como eram as relações campo cidade e como são atualmente. 


CONTEÚDO COMPLEMENTAR DE GEOGRAFIA  2º ANO ENSINO MÉDIO.4º BIM

TÓPICO--23. REFORMA AGRÁRIA E MOVIMENTOS SOCIAIS OP—22-- REFORMA AGRÁRIA E MOVIMENTOS SOCIAIS R.A—25--REFORMA AGRÁRIA E MOVIMENTOS SOCIAIS.
23.1. Avaliar os projetos de reforma agrária nos países centrais e periféricos.
23.1.1. Analisar as origens dos movimentos sociais latino-americanos no campo, interpretando suas identidades com a terra.
CONCEITUAR
Luta pela terra (indígenas e portugueses - remanescentes de quilombos – seringueiros) - crédito rural - movimentos sociais – assentamento - financiamentos destinados ao pequeno produtor brasileiro
 O QUE ENSINAR
As habilidades propostas, aliadas ao conhecimento prévio do aluno apontam para os seguintes tópicos:
• a fixação do homem no campo, através da possibilidade de acesso à terra
• a valorização do agricultor familiar, com políticas creditícias voltadas para o seu desenvolvimento
• o modelo de reforma agrária, como alternativa para redução de desigualdades sociais e econômicas
• a organização da produção através de associações e cooperativas
• o papel dos movimentos sociais nas territorialidades rurais
 TÓPICO--24. ESPAÇO RURAL OP—23-- ESPAÇO RURAL R.A—22--ESPAÇO RURAL.
24.1. Prognosticar sobre o futuro da produção do espaço rural nos países centrais e periféricos
24.1.1. Interpretar a paisagem rural e a nova ruralidade expressa nos fenômenos socioeconômicos e culturais das regiões agropecuárias do Brasil e do mundo.
CONCEITUAR-  bioma brasileiro - ameaças à biodiversidade – queimadas-  redução da fauna - expansão agropecuária - degradação e regeneração – cerrado - produção do espaço rural nos países centrais e periféricos - atividade extrativa- povos da floresta
O QUE ENSINAR
• A relevância da agricultura familiar para o desenvolvimento do agrossustentável
• O desenvolvimento de ações no cerrado mineiro para minimizar os impactos causados pela modernização da agricultura
• A participação da agricultura familiar no agronegócio, para observar que é possível integrar o sistema produtivo à preservação da biodiversidade e garantir o suprimento de alimentos para atender ao mercado interno
TÓPICO--25. DIVERSIDADE CULTURAL OP—24-- DIVERSIDADE CULTURAL R.A—26--DIVERSIDADE CULTURAL.
25.1. Identificar a transformação da identidade cultural da vida no campo em mercadoria.
25.1.1. Reconhecer as possibilidades de ampliação da renda do proprietário rural a partir da transformação da identidade cultural do campo em projetos turísticos.
CONCEITUAR- extrativismo vegetal e mineral - áreas de lazer e turismo -  quilombolas -  MST -  ruralistas – indígenas -  povos coletores -  cidadania rural - paisagem cultural, povos coletores, movimentos sociais, práticas agrícolas sustentáveis, agronegócios, turismo rural, reservas indígenas, práticas econômicas de grupos coletores -
O QUE ENSINAR
• O desenvolvimento sustentável na vida dos povos coletores e populações ribeirinhas no Brasil
• A revitalização das tradições culturais rurais e o turismo: estudos de caso no Brasil e em países africanos e asiáticos
• Práticas agrícolas sustentáveis na cultura indígena
•Práticas agrícolas sustentáveis nas novas territorialidades no campo
• Relação cultura, turismo e desenvolvimento local
DESCRITORES:
D42 - Descrever um perfil de vegetação da floresta amazônica, da Mata Atlântica, do Cerrado, Caatinga e Araucária.
D43 - Localizar no mapa do Brasil a área de domínio da Floresta Amazônica, Mata Atlântica, Cerrado, Caatinga, Pantanal, Campos e Mata dos Pinhais.
D44 - Concluir, através de análises de tabelas e gráficos, como o uso indiscriminado de agrotóxicos, fertilizantes químicos e máquinas agrícolas trazem dependências na relação campo-cidade e degradação do meio ambiente.
D45 - Relacionar o Sertão nordestino e a indústria da seca.
D46 - Analisar, através de tabelas, gráficos e mapas, a expansão da agricultura moderna no cerrado brasileiro.
D47 - Analisar o impacto ambiental nos ambientes litorâneos provocado pela expansão urbano-industrial, utilizando-se de textos da legislação atual e de artigos de jornal.
D48 - Estabelecer correlações entre a monocultura (cana de açúcar, soja, laranja, ou café) as relações de trabalho e a migração campo-cidade.

Nenhum comentário:

Postar um comentário